Chupetas & Chupetas

Não acompanho o quebra-quebra dos astros nos bastidores, mas quando li (há exatamente um ano atrás) no Judão (blog assaz!) que a chapada da Alanis tinha feito uma sátira do hit My Humps — que eu julgava que já fosse uma sátira — isso fez do vídeo da Alanis a primeira metasátira musical da minha vida.

Acho que por causa disso acabei refletindo um pouco além do comum sobre a sexualização da mídia.

Se não bastasse, a Fergie (cantora do Black Eyed Peas, dona de todas essas curvas e modéstia) respondeu aprovando a gongada e mandado um bolo em forma de bunda para a Alanis! Aí sim a coisa complicou na minha cabeça! No final das contas, algo que poderia ter sido uma campanha contra o sexismo acabou numa tremenda briga de ego por causa de um maldito mau-entendido.

Estava assim tão difícil de perceber que as duas estavam falando da mesma coisa?

Bom, a discussão esfriou, a Fergalicious não parou por ali, a Srta. Morissete continuou a bancar a indie, mas esse assunto ficou bem mal resolvido na minha cabeça.

Conversei com vários amigos sobre o tema e como ele me preocupava. Falamos de sexismo, fantasias eróticas, revolução industrial, repressão, feminismo, Sandalinha da Xuxolicious e foi exatamente aí, quando tocamos no tema da sexualização infantil, que a coisa ferveu mesmo!

A televisão é o ópio do povo?
Sexualização da mídia = sexualização infantil?

Como fã declarado do Black Eyed Peas (e da Alanis também! :-) ), rezo a deus para que a relação entre os casos citados (Fergie/Alanis e Xuxa) seja inversa: a Fergie e a Alanis usaram as curvas para criticar (e também para ganhar grana e notoriedade) e a Xuxa… Bem… A Xuxa foi, é, e, possivelmente, sempre será a Xuxa (afinal não se sabe mais nada depois do Mr. Jackson).

O fato é que a Fergie não está “mais certa” que a rainha dos baixinhos (afinal as duas se vendem como objeto, cada uma na sua medida e propósito) e todo mundo tem o direito de errar e se redimir ainda nessa encarnação, mas a Xuxa, como “ídolo infantil”, certamente é um ícone desse extremismo anti-conceitual no recôndito desconhecido da minha mente de onde eu tirei toda essa discussão (complicado isso hein! 😯 ).

Pronto(a) para a bomba, baixinho(a)?

Será que o mundo já está assim tão “idiotizado” que, quando alguém critica isso, acaba sendo ridicularizado?

Alguém, por favor, me dê uma arma.
Ninguém, por favor me dê uma arma.

Calvin e os deuses americanos
Deuses Americanos!

Calvin rulez! Bill Watterson forever! 😀

Comentários?

Veja Mais:

7 comentários sobre “Chupetas & Chupetas

  1. Oi, Bruno,

    Eu acredito na grande idiotização do ser humano. E, infelizmente, acredito que a crítica ao contemporâneo é para poucos. Pelo menos, nós podemos ser críticos. Conseguimos fugir da cegueira geral. Mas, teremos que suportar a dor da minoria.

    Beijos,
    Clau*

  2. A coisa toda anda tão idiotizada pelaí, que concordo, anda complicado achar parceiros para pensar. Beijim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *