Qual é O SEGREDO para ser publicado?

Seu livro pode ser bem escrito,

Sua trama pode ser intrincada e cheia de reviravoltas alucinantes,

Seus personagens podem ser complexos e desenvolvidos em doze dimensões,

Suas idéias podem ser interessantes,

Seus títulos podem ser fáceis de achar no Google,

Sua gramática pode ser precisa,

Sua ortografia pode estar impecável,

Seu discurso pode estar bem estruturado,

Sua plataforma online pode estar completa,

Seus seguidores no Twitter podem estar engajadíssimos,

Sua página no Facebook pode ser linda

Mas…

Se você não tem nada interessante e desafiador para dizer, então você está desperdiçando seu tempo.

Essa é uma adaptação livre — bem livre mesmo — da postagem “The UNBREAKABLE golden rule to getting published?” escrita originalmente pelo incrível Gary Smailes no imperdível BubbleCow.

12 comentários sobre “Qual é O SEGREDO para ser publicado?

  1. Não entendi. Se a trama é bem interessante e desenvolvida, bem escrito, idéiuas legais, personagens interessantes tb.. o que seria o “nada de interessante ou desafiador para dizer”?

  2. Olá Antônio e Jota,

    Justamente!

    Essa idéia do artigo, de fazer o autor refletir sobre “o que ele quis dizer com sua história”, é uma outra forma de, muitas vezes, fazê-lo ver que seus personagens não estão assim tão bons como ele imaginava ou que sua história não está assim tão interessante.

    Obrigado pela visita, pelo comentário e sejam sempre bem vindos ao Aprendiz!

  3. Tem muita gente que têm domínio técnico, mas não tem nada de relevante para dizer. Outros tanto transbordam de conteúdo, mas não dominam as técnicas. E mesmo aqueles que preenchem os dois requisitos ainda estarão longe de serem publicados se não tiverem uma VOZ DE ESCRITOR clara e distinta. Esse sim é o segredo para escrever algo com potencial de ser publicado.

  4. Concordo com você, Bruno. Você encontrou uma maneira sutil de alertar aos escritores iniciantes que nem tudo que escrevem é bom e merece ser publicado. Acho que o que mais falta é o senso crítico e a humildade para perceber quão necessário é estudar e se aprimorar. (Claro que me incluo nesta lista, hehe) Abraços

  5. Bom, Diego. Como eu disse ali em cima pro Antônio e pro Jota, o intuito dessa postagem é causar estranhamento mesmo e provocar uma reflexão sobre o sentido do conjunto da obra. Você certamente se aprofundou um pouco mais, discutindo técnica e mensagem, mas no fundo o intuito é o mesmo: ler-pensar-escrever, escrever-pensar-reescrever. Isso aprimorar a obra e o autor.

    É isso aí Carol! E nem estou falando só de publicação não. Esse conselho vale até pra nortear a escrita mesmo.

    Obrigado aos dois pela visita, pelos comentários e sejam sempre bem vindos!

  6. Concordo com você, Bruno. Não basta ter tudo redondinho, perfeitinho prá se fazer um livro que crie empatia com o leitor. Nunca sabemos afinal quem é o nosso leitor e o que ele vai achar.

    Mas uma coisa é certa: ninguém é capaz de criar algo tão rocambolesco de novo. Desde Adão e Eva as histórias são as mesmas. O que muda é o jeito de contá-las. O mais difícil é encontrar o seu próprio jeito.

    Belo post, queridão.

  7. Bacana, o Blog cara …
    criei um blog tem muito pouco tempo …
    decidi criar porque todos os dias surgem umas historias na minha cabeça e nunca passo para o papel e nem nada.
    sera que você poderia da uma olhada em uma que estou desenvolvendo????
    fica muito grato com sua opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *