Arquivo da tag: Neil Gaiman

8 Regras de Escrita do Mestre Gaiman

  1. Escreva.
  2. Coloque uma palavra depois da outra. Encontre a palavra certa, coloque-a ali.
  3. Termine o que está escrevendo. Independente do que for preciso para terminar, termine.
  4. Coloque de lado. Leia fingindo que nunca leu isso antes. Mostre para amigos cuja opinião você respeita e que gostem desse tipo de coisa.
  5. Lembre-se: quando as pessoas lhe dizem que algo está errado  ou que não funciona para elas, geralmente elas estão certas. Quando elas lhe dizem exatamente o que acham que está errado e como consertar, geralmente elas estão erradas.
  6. Conserte. Lembre-se, cedo ou tarde, antes de atingir a perfeição, você precisará deixar como está e seguir adiante, começando a escrever a próxima coisa. A perfeição é como perseguir o horizonte. Mantenha-se em movimento.
  7. Ria das suas próprias piadas.
  8. A principal regra  da escrita é que ao se escrever com segurança e confiança o bastante, você acaba autorizado a fazer o que quiser (isso também pode servir como regra para a vida, mas é definitivamente verdade na escrita). Portanto, escreva sua história como ela precisar ser escrita. Escreva-a honestamente, e conte-a da melhor forma que puder. Não estou certo que haja qualquer outra regra. Nenhuma que importe.

Via The Guardian

10 obras essenciais na minha formação como leitor

Muita gente aqui do blog já conhece e participa dos Escritores de Quinta, um projeto do SESC Pinheiros para um bate-papo literário multimídia onde eu atuo como um dos curadores.

Se você ainda não conhece, visite o nosso blog, acompanhe as novidades pela nossa página no Facebook ou pelo Twitter do projeto. Ou melhor ainda: apareça! Estamos lá no SESC Pinheiros sempre na última quinta-feira de cada mês.

Para a a reunião de ontem, o desafio lançado aos participantes foi o de tirar a gravata e confessar os livros essenciais na sua formação como leitores. A idéia era a elaboração de uma lista com os 10 livros que mais marcaram sua trajetória literária.

Não se trata de uma competição de ego para ver quem traz ou indica os livros mais cultos e sim da apresentação de livros-chave na sua trajetória como leitor.

Se eu me confessei por lá, seria covardia não me confessar por aqui, né? 🙂

Sobre Neil Gaiman, pirataria, velhos mestres e novas magias

Achei esse vídeo no meio de um dos ótimos quebra-paus debates que o Tibor está propondo lá no blog dele. O segundo, para ser mais exato, sobre merchan e ebooks. Nele, um jornalista faz uma pergunta ao Gaiman sobre a pirataria de livros na web.

Prova de que eu não escolho meus ídolos a toa, o Gaiman transcende a pergunta e traz o seguinte argumento “o inimigo não é a idéia que as pessoas estão lendo livros de graça pela internet, o inimigo são as pessoas que não lêem”.

A livre circulação de cultura arruína com muitos modelos de negócio existentes, mas ela vai além disso. O surgimento dessa tendência como um desdobramento natural, fruto dessa aparente sede de cultura — uma evolução da sede de entretenimento talvez? — já dá indícios claros que não só os mercadores culturais terão muito trabalho pela frente redesenhando seus contratos.

Aqui é onde eu ouso ir além do Gaiman: a minha tribo não é das pessoas que lêem. A minha tribo é a das pessoas que jogam, experimentam, descobrem e vivem.

Continue lendo Sobre Neil Gaiman, pirataria, velhos mestres e novas magias

Editora Terracota: Jabutis na literatura fantástica? É o fim do mundo!

Na semana passada, falei da Draco, uma editora brasileira que está apostando alto tanto nos leitores quanto nos escritores nacionais de literatura fantástica! Algo raro por aqui, como bem sabem os mais afeitos a esse ramo de consumidores tão acostumados a Rowlings, Meyers, Kings e Gaimans.

No decorrer do artigo eu citei outras editoras que são ponta firme na ficção científica nacional (como a Devir e a Tarja), mas hoje eu volto pra destacar a Terracota: uma editora relativamente jovem (siga-a pelo Twitter) que está prestes a publicar algo que todo Aprendiz de Escritor julgaria, no mínimo, digno de atenção…

Continue lendo Editora Terracota: Jabutis na literatura fantástica? É o fim do mundo!

Na vasta gaiola da internet?

Me rendo. O Twitter é maneiríssimo. 😀

Do inglês tweet (“gorjeio”, dos pássaro) a proposta é contar em “pios” de 140 toques “o que está fazendo agora”.

Entretanto, os seres humanos já arrumaram outras utilidades para essa maquininha: publicar notícias, promover sites, divulgar campanhas e até escrever livros! Além de ser uma alternativa ao RSS, mais simples impossível. Vamos passo a passo?

Continue lendo Na vasta gaiola da internet?

Os Dragões de Gaiman

Presente da Cris Rogério, amiga, irmã de armas e musa inspiradora que vive, almoça e janta coincidências. Iluminadíssima, essa menina.

“O mais importante não é dizer que os dragões existem, e, sim, que eles podem ser derrotados. Você pode lutar e vencer os dragões que tem em si. E isso é algo especialmente relevante em histórias infanto-juvenis, porque você está dizendo para as crianças e os adolescentes que há esperança. Assim é em toda a minha ficção, seja ela triste ou alegre”

Neil Gaiman, em entrevista durante a FLIP 2008

Você confere transcrições e coberturas dessa incrível entrevista do Mestre Gaiman aqui, aqui e aqui. Também é possível ver trechos da gravação em vídeo aqui, aqui e aqui, tudo com áudio em português. Clicando nos artigos e vídeos relacionados dessas seis referências (e no link da entrevista, mais acima), dá pra ter uma idéia de quase tudo o que ele disse.

Continue lendo Os Dragões de Gaiman

Agora só falta aprender a digitar em posição de lótus!

Natalie Goldberg — escritora, espiritualista e professora de escritores — chegou de sopetão ao meu universo numa indicação bem informal da minha valiosíssima namorada. A premissa da professora Goldberg (menos regras, mais inspiração) tem tudo a ver com a última aula do Professor Gabriel no módulo Literatura Infantil.

Achei suprema a indicação. A autora fala num timbre de voz que ilustra claramente sua proposta: unir a escrita com a prática de meditação. O volume chega em casa na próxima semana, junto de outras encomendas. Entretanto, você pode ler o comecinho “digrátis” — astutamente disponibilizado pela editora na rede — as maravilhas do universo virtual, que também concede um desconto aos que ousarem comprar através dele.

Continue lendo Agora só falta aprender a digitar em posição de lótus!

Web Writing: O Apocalipse Digital

Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.

— Apocalipse 2:10

Velha discussão nova: páginas concretas e cheirosas vs. praticidade abstrata irrefreável (ou decomposição antiquada versus impessoalidade desconfiável, dependendo de qual lado se está na balança).

Em vias de começarmos o curso de Webscrita, lá na pós graduação, li mais uma do Websinder, dessa vez com as 39 pistas do meu xará carioca Bruno Rodrigues, um verdadeiro mestre na arte do Web Writing. (clique aqui e aqui — e prepare-se para navegar por longas horas — se quiser ser um faixa preta do Web Writing você também).

Continue lendo Web Writing: O Apocalipse Digital